GeoLeiria

Este Blog pretende ser o ponto de encontro e debate dos Geólogos em/de Leiria e de todos aqueles que gostam desta ciência ou de Biologia, Geografia, Ambiente e Astronomia, entre outras. Criado no âmbito do Projecto Ciência Viva VI "À descoberta da Geologia em Leiria", com membros nas Escolas Correia Mateus e Rodrigues Lobo, Núcleo de Espeleologia de Leiria e Centro de Formação de Leiria, neste local serão colocadas novidades locais, nacionais e internacionais, actividades de Escolas e outros.

domingo, novembro 25, 2007

A Origem das Espécies

Do Blog De Rerum Natura, com a devida vénia, publicamos o seguinte post:

Em 24 de Novembro de 1859, fez ontem 148 anos, foi publicado o livro de Charles Darwin que trata da «selecção natural como principal causa da origem, multiplicação e evolução das espécies».

O livro provocou uma verdadeira revolução na época, embora as ideias de Darwin não fossem originais, isto é, as questões que lhe suscitaram a escrita deste livro marcante já tinham sido levantadas por outros naturalistas, inclusive pelo seu avô, Erasmus Darwin, e especialmente por Pierre Louis Moreau de Maupertuis. O matemático e filósofo francês antecipou Darwin em um século propondo algo muito semelhante a selecção natural no «Venus Physique» de 1745 e no «System of Nature», publicado em 1751. No primeiro livro, Maupertius sugere que as formas de vida da Terra surgiram através de variações casuísticas associadas a sobrevivência e reprodução diferenciadas que permitiram uma acumulação de adaptações funcionais.

Mas Darwin foi o primeiro a responder satisfatoriamente às questões que a observação da Natureza levantava desde os primórdios da História, nomeadamente tinham sido abordadas por Anaximandro (610-546 a.C.), que especulou sobre o início e a origem da vida e nos fornece o primeiro registo histórico sobre a ideia da evolução dos seres vivos.

Aristóteles por seu lado interrogava-se no Physicae Auscultationes, vol. II, cap. 8, sobre «O que impediria que fossem meramente acidentais as relações entre as diversas partes do corpo? (...) O mesmo pode ser dito quanto às demais partes do corpo, que também são adaptadas a um determinado fim. Por conseguinte, todas as partes de um certo conjunto são constituídas para alguma finalidade específica e, enquanto servem para essa finalidade,são preservadas. Essa constituição adequada, na realidade, decorre tão somente de alguma espontaneidade interna. Uma vez que as que não forem assim constituídas desaparecem e ainda estão desaparecendo».

O fundador do Jardim, Epicuro, propôs mesmo uma teoria de evolução biológica e social do homem que o poeta romano que o cantou apresenta no poema que deu título ao blog. Para Epicuro, a criação do universo não teria sido obra dos deuses. Tudo o que existe - o céu, a Terra, as plantas, os animais, o homem - teria origem no movimento aleatório dos átomos. Seria esse mesmo movimento que produziria todos os fenómenos da Natureza, a vida inclusive.

Mas se os pensadores mais marcantes da Antiguidade Clássica se questionavam já sobre o que ficaria consagrado no termo «evolution», derivado do latim «evolutio» – que significa «desenrolar-se como um pergaminho» - e que começou a ser usado no século XVII para designar uma sequência ordenada de eventos, parece que persistem atavicamente resquícios do pensamento mágico que dominava antes da grande revolução do pensamento que foi a filosofia grega.

Quase 150 anos depois da publicação da «Origem das Espécies» e mais de 2500 anos depois de terem sido esboçados as primeiras concepções evolucionistas, persistem, naqueles que se recusam a olhar o mundo com olhos de ver e sim com os olhos da fé, as objecções de Matthew Hale (1609-1676) em relação ao atomismo considerado ateu de Epicuro. O lord Chief Justice (o juiz presidente) de Inglaterra - que acreditava em bruxas já que foi responsável pela sentença que resultou na execução de duas mulheres acusadas de feitiçaria -, verberava ser impossível que colisões «fortuitas e sem sentido de átomos mortos» tivessem dado origem ao homem pois não continham os princípios ou as «sementes primordiais» (semina) do mesmo.

As objecções de Hale em relação ao atomismo (a que se referiu como evolução) persistem até hoje, isto é, existem criacionistas que confundem evolução e atomismo e negam a existência de átomos, já que consideram que o atomismo «é incompatível com os princípios judaico-cristãos porque o atomismo apresenta a matéria independente de Deus, seja porque existe por toda a eternidade e nega a criação por um Desenhador Inteligente seja porque os seus movimentos e acontecimentos são independentes do controle por um Ser Soberano».

Por outro lado, aquele que a enciclopédia de filosofia de Stanford descreve como um virtuoso diletante, é responsável pela associação de evolução a ateísmo para além de ter alimentado em alguns a ideia errónea com que nos matraqueiam incessantemente de que a «evolução» fala de cosmologia, da origem do universo e da origem da vida.

Como refere Phil Plait no blog de ciência Bad Astronomy, dois dos (muitos) problemas da «ciência» da criação é não ser ciência, e, como todos os nossos leitores já se aperceberam no nosso espaço de debate, os seus defensores terem uma postura autista quando os múltiplos erros pseudo-científicos (na realidade anti-ciência) que promovem são apontados.

Uma vez que é impossível qualquer tipo de debate com criacionistas, o astrónomo sugere que, em vez da desmontagem das mentiras que são a base única da sua argumentação, o humor é a única resposta possível às inanidades debitadas. Nomeadamente com esta paródia do que passa por projectos de investigação submetidos ao oxímoro Instituto da Investigação da Criação - e que está completamente de acordo com a pseudo «investigação» que por lá fazem, ou seja, é difícil distinguir a sátira do produto que a originou. Vale a pena ler não só os resumos dos projectos como as apreciações do «painel» avaliador.

Referências:
Atomism, Atheism, and the Spontaneous Generation of Human Beings: The Debate over a Natural Origin of the First Humans in Seventeenth-Century Britain
Matthew R. Goodrum, Journal of the History of Ideas, 63, (2002), 207.

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home