GeoLeiria

Este Blog pretende ser o ponto de encontro e debate dos Geólogos em/de Leiria e de todos aqueles que gostam desta ciência ou de Biologia, Geografia, Ambiente e Astronomia, entre outras. Criado no âmbito do Projecto Ciência Viva VI "À descoberta da Geologia em Leiria", com membros nas Escolas Correia Mateus e Rodrigues Lobo, Núcleo de Espeleologia de Leiria e Centro de Formação de Leiria, neste local serão colocadas novidades locais, nacionais e internacionais, actividades de Escolas e outros.

sábado, junho 23, 2007

Instabilidade no solo de uma obra em Leiria matou duas pessoas

Construtores rejeitam estudos geológicos para diminuir custos


Dois operários morreram na quinta-feira passada, em Leiria, na sequência de uma derrocada numa obra. Embora ainda se desconheçam as causas do acidente, a Inspecção do Trabalho constatou que não estavam a ser cumpridas todas as normas de segurança. Técnicos ouvidos pelo JORNAL DE LEIRIA referem a importância de fazer estudos geológicos do solo para diminuir os riscos.

São poucos os construtores de obras privadas que realizam estudos geológicos antes de iniciarem os trabalhos. Uma derrocada matou, na sexta-feira, dois homens, numa construção na Rua Paulo VI, em Leiria. Ainda não está apurado o que falhou, nem se foram cumpridas todas as regras de segurança, mas em Fevereiro, já se tinha registado um desabamento de terra na mesma obra, sem vítimas a lamentar.

A legislação ainda não obriga e o custo adicional que os construtores teriam de despender para a realização de estudos de prospecção de solos e geológicos iria aumentar o preço final dos edifícios. Daí, que não sejam habituais cuidados preliminares.

“É raro fazerem-se sondagens. Os construtores não fazem ideia do tipo de solo que têm. Baseiam-se na experiência que conhecem das zonas circundantes e é feita apenas uma inspecção visual”, alerta João Veludo. O engenheiro civil de Leiria desconhece o que se passou na obra onde morreram duas pessoas, mas garante que em 90 ou 95 por cento dos casos não há um cálculo de solos. “Os empreiteiros não fazem estudos porque custa dinheiro.”

Esta é também a opinião de Nuno Cunha Lopes, delegado da Protecção Civil de Leiria, que admite ter havido uma “má apreciação ou apreciação incorrecta das condições geológicas do terreno”, o que terá provocado o deslizamento de terra. “Os responsáveis pela construção têm de acautelar as condições de segurança e devem ter mais cuidado. Mas, a obra sai mais barata se não fizerem estudos geológicos”, reconhece Cunha Lopes, que admite que acaba por haver algum facilitismo.

Os dois especialistas lamentam ainda a falta de fiscalização. João Veludo considera que essa é a “grande falha” a nível da construção. O engenheiro dá o exemplo da Câmara de Lisboa, que só emite licença se os projectos incluírem um estudo geológico.

A nova regulação do Eurocódigo de Projecto Geotécnico prevê a obrigatoriadade de fazer prospecção nos solos. A norma europeia ainda não está em vigor em Portugal (que não tem regulamentação), mas é uma ferramenta fundamental para a apreciação da estabilidade global dos solos que vão ser sujeitos a movimentações. “Se se souber as condições do solo, tomam-se precauções e este tipo de situações [derrocadas] podem ser precavidas. Um solo arenoso é diferente de um solo de argila”, exemplifica João Veludo.

Inspecção do Trabalho denuncia falta de segurança na obra

Vítimas de derrocada deixam filhos menores

O alerta ainda foi dado. Um trabalhador gritou “fujam”, mas para Júlio da Conceição Pereira, de 39 anos, residente em Ruivaqueira, Ortigosa, e Alberto Silva, de 44 anos, que vivia no Brejo, Monte Real, foi tarde de mais. Os homens foram soterrados quando procediam à cofragem de um muro para a construção de um prédio, perto das 13 horas de quinta-feira passada. A primeira vítima estava na empresa de cofragem há cerca de dez anos, enquanto a segunda estava a trabalhar à experiência para o dono da obra. Os operários deixam três filhos menores.
Um trabalhador, que não se quis identificar, conta que ouviu o aviso e fugiu. “Ainda fui apanhado de raspão por uma chapa, que me feriu o braço, mas consegui safar--me.” Apesar da chuva, afirma que nada fazia prever o sucedido. “A parede tinha rocha e pedra.” Alexandra Carvalho diz que a casa, onde vive com três filhos, tremeu toda no momento da derrocada, pelo que se sente insegura em permanecer no seu interior, facto que já comunicou à junta de freguesia e à Segurança Social. A instabilidade da habitação agravou-se desde o início da obra, pelo que receia que “aconteça o pior”.

A Inspecção-Geral de Trabalho (IGT) abriu um inquérito, que ainda está a decorrer, para apurar as causas da derrocada e mandou suspender os trabalhos até à conclusão do processo que, segundo Rosália Rosa, delegada do IGT, tem prioridade sobre todos os outros.
A responsável afirma que foram pedidos diversos documentos que ainda estão a ser entregues e só depois do processo completo é que o IGT pode apurar responsabilidades. Sem adiantar pormenores, Rosália Rosa admite que “em abstracto” e apesar de haver algumas preocupações, verificou-se que “havia falta de segurança no estaleiro”.

Em Fevereiro, o JORNAL DE LEIRIA noticiou a derrocada de parte da estrada nas traseiras do edifício. Os moradores reclamaram da falta de segurança da obra. A Protecção Civil esteve no local e alertou para os cuidados que o dono da obra deveria ter com a estrutura. Nuno Cunha Lopes afirma que as duas derrocadas se deram em locais diferentes das fundações e sublinha que a Protecção Civil fez o trabalho que lhe competia. “Alertámos para a necessidade de consolidar o solo. É o responsável pela construção que tem de acautelar as condições de segurança, através do coordenador nomeado para a função.” Apesar disso, o delegado considera que “não houve dolo, mas erro de apreciação técnica”.

O JORNAL DE LEIRIA tentou contactar o proprietário da obra, o construtor e o gerente da empresa de cofragem (que se sentiu mal após o acidente), mas até à hora do fecho da nossa edição tal não foi possível.

Cronologia
Outubro/2005 - A derrocada de um edifício no Centro Histórico de Leiria provocou seis feridos.
Fevereiro/2007 - Queda de azulejos num edifício, junto à Rua Marquês de Pombal, pôs em risco a segurança dos peões.
Estrada cortada na Rua Arnaldo Cardoso e Cunha, devido à derrocada de parte da via após trabalhos na construção de um edifício na Rua Paulo VI, em Leiria.
Abril/2007 - A degradação de um prédio na Avenida do Vidreiro, na Marinha Grande, põe em risco peões.
Junho/2007 - Transversal da Praça Rodrigues Lobo, em Leiria, interdita devido a prédio que ameaça ruir.


Textos: Elisabete Cruz
elisabetecruzjl@gmail.com
Foto: Ricardo Graça
ricardograca.jl@gmail.com


2 Comments:

  • At 24 de junho de 2007 às 18:24, Blogger Fernando said…

    É por isso que se pode fazer um conjunto de prédios em cima de uma mina como é o caso da Guimarota. Mas admirem-se pois há ainda inclinos que não sabem que estão em cima de algo que um dia vem a baixo.
    É assim e pronto.

     
  • At 28 de junho de 2007 às 23:59, Blogger Fernando Martins said…

    Caro Fernando:

    Não seja pessimista, a Mina da Guimarota AINDA não começou a ceder...

    Mas a culpa não é dos inquilinos ou proprietários, é de quem deixa construir e não informa antes dos riscos...

     

Enviar um comentário

<< Home