GeoLeiria

Este Blog pretende ser o ponto de encontro e debate dos Geólogos em/de Leiria e de todos aqueles que gostam desta ciência ou de Biologia, Geografia, Ambiente e Astronomia, entre outras. Criado no âmbito do Projecto Ciência Viva VI "À descoberta da Geologia em Leiria", com membros nas Escolas Correia Mateus e Rodrigues Lobo, Núcleo de Espeleologia de Leiria e Centro de Formação de Leiria, neste local serão colocadas novidades locais, nacionais e internacionais, actividades de Escolas e outros.

sábado, maio 31, 2008

Notícia sobre o Plano Especial de Emergência de Risco Sísmico da Área Metropolitana de Lisboa

Plano tem três fases, a primeira é de socorro
Plano de Emergência de Risco Sísmico da área de Lisboa envolve 65 entidades públicas e privadas
30.05.2008 - 14h51 Lusa

O Plano Especial de Emergência de Risco Sísmico da Área Metropolitana de Lisboa e Concelhos Limítrofes envolve mais de 65 entidades privadas e estatais, entre empresas e forças de segurança, bases aéreas além da sociedade civil.

Este Plano de Emergência engloba empresas de fornecimento de serviços como electricidade, água, comunicações, transportes para além das forças e serviços de segurança e inclui as forças armadas.

A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) divide em três fases o plano de emergência, sendo a primeira a de socorro, com principal enfoque no salvamento de vidas humanas, seguida pela fase sustentada, que visa iniciar medidas de recuperação e reabilitação, e por último a fase de recuperação com o objectivo do restabelecimento e normalização das diferentes áreas.

Em caso de catástrofe e durante as primeiras horas a ANPC considera que as populações terão um papel preponderante, "enquanto socorristas de si mesmas", e a colaboração "solidária e espontânea manifestada pelas comunidades em grupos de voluntários".

As entidades foram contactadas para a elaboração deste documento, que está em permanente actualização.

A EPAL recebeu "uma carta a convocar para uma reunião" e o Metropolitano de Lisboa vai integrar "como observador" o exercício programado para hoje, disseram à Lusa fontes das empresas.

A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) está hoje a testar cenários, ocorrências, estruturas de comando e controlo num simulacro de sismo ocorrido em Benavente que originou desabamentos, mortos, feridos, explosões e "muitos problemas".

O primeiro exercício de três, este denominado Prociv III/2008, visa testar a operacionalidade do Plano Especial de Emergência de Risco Sísmico para a Área Metropolitana de Lisboa e Concelhos Limítrofes (PEERS AML CL), e teve início na tarde de quinta-feira, simulando um sismo, de magnitude 6.3 na escala de Richter.

O cenário fictício criado tem por base o sismo de 1909, que ocorreu em Benavente, com "avultados danos materiais e humanos" e abrange mais de cinco mil edifícios, dos quais três centenas e meia colapsados, 348 mortos, quase 4 mil pessoas desalojadas e mais de 11 mil feridos, disse a comandante operacional, Patrícia Gaspar.

A ANPC irá realizar mais dois exercícios designados por Livex, um a nível nacional em Novembro deste ano já com forças operacionais no terreno, e o último em Maio de 2009 onde irá testar a articulação de Portugal com outros países no âmbito da ajuda internacional.

A composição e a articulação das forças no terreno passam por Equipas de Reconhecimento e Avaliação da Situação (ERAS), de Busca e Salvamento (EBS), Triagem (ETR), Assistência Pré-Hospitalar (EAPH), Evacuação, entre outras envolvendo a mobilidade através de helicópteros, motos e veículos de todo-o-terreno.

As forças e serviços de segurança, [GNR, PSP] têm a responsabilidade de cumprir missões relacionadas com segurança, escolta, apoio, manutenção de ordem pública, entre outras funções atribuídas a estas entidades.

No caso das Forças Armadas está prevista a intervenção de apoio à evacuação, a disponibilização de meios navais, terrestres e aéreos de acordo com as solicitações do comando das.

As bases aéreas de Beja, Tancos e Monte Real terão a função de Zonas de Recepção de Reforços (ZRR), para receberem os meios internacionais de ajuda de emergência, conforme o Anexo I do PEERS AML CL.

O Plano "nunca está fechado" nem é o definitivo, explicou o gabinete de comunicação da ANPC à Lusa.


in Público -ler notícia

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home