GeoLeiria

Este Blog pretende ser o ponto de encontro e debate dos Geólogos em/de Leiria e de todos aqueles que gostam desta ciência ou de Biologia, Geografia, Ambiente e Astronomia, entre outras. Criado no âmbito do Projecto Ciência Viva VI "À descoberta da Geologia em Leiria", com membros nas Escolas Correia Mateus e Rodrigues Lobo, Núcleo de Espeleologia de Leiria e Centro de Formação de Leiria, neste local serão colocadas novidades locais, nacionais e internacionais, actividades de Escolas e outros.

sexta-feira, setembro 24, 2010

Notícia sobre Paleontologia no Público

Na Patagónia
Cientistas descobrem fóssil de girassol com 50 milhões de anos

O girassol é da família do fóssil encontrado na Patagónia (Foto: Ognen Teofilovsk/Reuters/arquivo)

Uma equipa de cientistas acredita que o girassol surgiu há 50 milhões de anos na América do Sul, depois da descoberta de um fóssil muito bem preservado, na Patagónia, revela a revista “Science”.

O fóssil foi encontrado em 2002 em rochas ao longo do rio Pichileufu, na Patagónia, Sul da Argentina durante uma “caça aos fósseis” por amadores, explica a revista “Natureonline.

A descoberta sugere que a família Asteracaea – da qual fazem parte o girassol, o dente-de-leão, crisântemo, alface e a margarida – apareceu há 50 milhões de anos, mais cedo do que se pensava, na região onde hoje é a América do Sul.

Segundo o jornal “Daily Mail”, os fósseis que tinham sido encontrados até agora consistiam apenas em alguns grãos de pólen. Ainda assim, estes registos permitiram saber que esta família teve origem num antecessor comum com outras duas famílias - Goodeniaceae e Calyceraceae - que se desenvolveu naquilo que hoje é a Antárctida. Quando a Antárctida começou a arrefecer, este tronco comum migrou para a Austrália e América do Sul. Num período entre há 56 e 23 milhões de anos, este tronco comum subdividiu-se.

A descoberta – coordenada pela paleobióloga Viviana Dora Barreda, do Museu das Ciências Naturais da Argentina, em Buenos Aires - oferece “provas evidentes da família dos girassóis num estádio ainda muito primitivo da sua diversificação”, escreve também na revista “Science” o botânico Tod Stuessy, da Universidade de Viena.

Além disso, este fóssil sugere que o clima naquela época era relativamente húmido, com temperaturas médias de 19 graus Celsius, escreve o site Scientific American”.

“Mas ainda há muito a aprender sobre a evolução e biogeografia da família dos girassóis”, alertou Stuessy. “Mesmo que os cientistas aceitem que a origem dos girassóis está na América do Sul, ainda não é claro como é que esta família colonizou rapidamente todo o planeta e se tornou tão diversa”, tendo dado origem a 23 mil espécies, acrescentou. Barreda questiona-se ainda, por exemplo, sobre qual o papel destas plantas no ecossistema e como seriam polinizadas.